DÚVIDAS

É um micro-circuito eletrônico constituído de um código exclusivo e inalterável. Pode ser encapsulado em vários formatos para atender as mais diversas possibilidades de aplicações. O microchip não possui bateria e fica inativo. É energizado apenas quando recebe um sinal enviado pela leitora. Fornece seu número exclusivo toda vez que for “scaneado“, enviando seu código que é mostrado no visor da leitora, sendo possível o envio da informação para um microcomputador. Como o microchip não possui bateria, não há o que se desgastar. Sua durabilidade depende do tempo que material do encapsulamento demora para se decompor, podendo ser centenas de anos em alguns casos.

O custo depende da forma de embalagem do produto. Há Microchip Partners disponibilizado com aplicador descartável e é encontrado no mercado entre R$ 13,00 a R$ 19,00. Há também microchip na agulha ou a granel, o qual o custo pode chegar a R$ 5,00 dependendo da quantidade adquirida. Analisando as vantagens que o sistema traz, o custo é irrisório. O mais indicado é o embalado com aplicador descartável, modelo PA140.

A princípio, identificação já que é um método seguro, inviolável e permanente que serve como um atestado de que um determinado animal seja mesmo o animal em questão. É como se fosse o CPF do animal.

O Sistema de Identificação e Registro de Animal da América Latina é um sistema de banco de dados na internet com o cadastro dos animais e seus proprietários além de outros dados sanitários e de controle, disponibilizado sem custo no site WWW.siraa.org. É oficial Na América Latina e reconhecido no mundo inteiro.

Seu pequeno tamanho e forma permitem que os microchip sejam
injetados no animal com uma seringa especial parecido aos aplicadores de
vacinas, sendo uma aplicação indolor. Mesmo sendo bastante simples a
aplicação, a Partners envia instruções passo a passo de como proceder com
cada espécie de animal, as quais cada um tem seu local de aplicação
padronizado internacionalmente. Todo processo de implantação não demora
mais do que 1 minuto. Não há necessidade e nem é recomendado sedar o
animal ou aplicar anestésico no local. A aplicação é bastante simples,
independente da espécie.

Embora a agulha do aplicador de microchip tenha o diâmetro um
pouco maior do que uma agulha de aplicador de vacinas, os animais reagem
da mesma maneira, sendo o procedimento indolor. O Microchip Partners é
completamente biocompatível e inofensivo à saúde do animal, além de
possuir cobertura de produto antimigratório superior, o que não acontece
com todas as marcas encontradas no mercado, e é um fator que deve ser
analisado no momento da compra.

Quando implantado corretamente e se utilizado Microchip Partners
que possui produto eficiente antimigratório, uma pequena camada de tecido
conexivo se forma em volta do microchip, impedindo a migração do mesmo,
fazendo com que o organismo do animal reconheça o microchip como corpo
natural e não um corpo estranho, o qual irá tentar expelir e este é o motivo
de vermos fatos de microchip migrando (andando) no corpo do animal.

Não há exatamente uma idade mínima para aplicar o microchip e
também depende da espécie. Há criadores de cães, por exemplo, que o
fazem no 5º dia de vida do filhote. Mas em regra geral é aplicado junto com
aplicação de vacina. Para quem considerar que os filhotes de cães são muito
pequenos para receber microchip, já que citei esta espécie como exemplo,
vale lembrar que filhotes de aves exóticas e para criação, que são menores e
mais frágeis do que outros animais, são microchipados sem causar problema
algum à sua saúde.

São inúmeras as vantagens e seria necessário várias linhas de
texto para descrevê-las. Resumidamente, podemos citar que, além de
facilitar o trabalho do criador evitando confusões na identificação dos
animais, facilitar a vida do veterinário e/ou técnico podendo ter acesso aos
dados do animal, proporcionar o resgate do mesmo caso ele se perca,
comprovar a propriedade no caso de roubo, ainda será possível saber quais
animais ainda não receberam determinada vacina, efetuar diversas
pesquisas como, por exemplo, sobre ocorrências e intercorrências em
respectivas regiões ou Países tais como displasia coxofemoral, doenças
infecto-contagiosas, doenças genéticas, etc também proporciona aos CCZs e
associações de criadores, a devolução do animal ao responsável, eliminando
os custos de permanência dos mesmos nos acampamentos ou canis públicos,
eliminando o risco de epidemia de doenças, garantindo ao proprietário do
animal a real possibilidade de reaver o mesmo. Porém o que considero
importante também é fato de não ser mais necessário sacrificar animais que
ficam amontoados em canis públicos, questão de árduos trabalhos de ONGs
e entidades protetoras de animais. Relato isto baseado em fatos e tenho
certeza que o Brasil chegará neste nível de controle eficaz e seguro muito em
breve. Vantagens para todos!

Além de possibilitar gerenciar e controlar melhor as
ninhadas/filhotes, como já citado, o criador estará valorizando seus animais
e poderá mostra-los aos clientes via internet em um site oficial e
reconhecido. Me refiro ao SIRAA. Nos Países onde o Microchip foi adotado
como obrigatoriedade, houve um aumento na procura por animais
registrados/identificados com Microchip e no valor dos mesmos. O criador
que hoje tem um sistema inteligente de gerenciamento e identifica seus
animais com Microchip, jamais ficará sem vende-los e sem ter um controle
eficiente e seguro.

A obrigatoriedade na verdade começou em meados do ano 2000
nos EUA, Canadá e Comunidade Europeia com o objetivo de controle
sanitário em animais de companhia. Depois foi adotado contra transporte
ilegal de animais, principalmente em extinção. Hoje seu uso é comum e em
vários Países é obrigatório em várias espécies de animais, como de
estimação/companhia, equinos, silvestres, em extinção, etc. Microchip em
animais não é nenhuma novidade e é uma tendência mundial, natural, e que
será adotada também de forma natural no Brasil.

É bastante simples o processo de inclusão do animal no SIRAA. A
primeira coisa a fazer é adquirir o microchip que pode ser feito em várias
clinicas veterinárias, diretamente com as empresas que atuam no segmento
ou ainda através dos sites produtos.pet e lojachip.com.br . A
aplicação do Microchip Partners é bastante simples, parecido com aplicação
de vacinas. Para efetuar o cadastro no SIRAA, o interessado deve solicitar
login e senha no próprio site siraa.org . O cadastramento não tem custo
algum, é rápido e disponibiliza dados básicos para localização do proprietário
do animal.

Sim. O Sistema de Identificação e Registro de Animais da América
Latina (SIRAA) não tem somente como objetivo o cadastro dos animais.
Ajuda na busca de um profissional, seja em qualquer campo de atuação no
segmento. Importante enfatizar que este sistema de banco de dados
disponibilizado no site siraa.org é usado em vários países de forma
oficial e não tem custo algum.